História

A dieta cetogénica foi desenvolvida pela primeira vez nos EUA nos anos 20 e era utilizada em crianças e adultos.

Com o aparecimento de novos fármacos antiepiléticos nas décadas de 1930 e 1970, o interesse por esta dieta diminuiu. No entanto, nos anos 90, houve um ressurgimento do interesse pela dieta infantil. Anteriormente, na década de 1970, a dieta MCT (triglicéridos de cadeia média) já tinha sido introduzida. O início do século XXI assistiu ao desenvolvimento de variantes alternativas mais flexíveis e modificadas das dietas cetogénicas tradicionais.7

50M

A epilepsia é uma doença crónica não transmissível do sistema nervoso central, que afeta indivíduos de todas as idades. Afeta cerca de 50 milhões de indivíduos em todo o globo, sendo considerada a doença neurológica mais comum em todo o mundo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima a sua prevalência em cerca de 1% da população mundial.4,8

Anos 20

A dieta cetogénica surgiu na Universidade John Hopkins em Baltimore - EUA, quando um grupo de médicos pediatras testavam o efeito antiepilético do jejum, provocado pela presença de corpos cetónicos em circulação no organismo.

Este grupo de médicos demonstrou que para alcançar este estado de cetose, não seria necessário sujeitar os doentes a um jejum prolongado. Para tal, bastaria limitar a ingestão de proteínas e hidratos de carbono, obrigando o organismo a usar os corpos cetónico como fonte de energia.11,12

Ao longo de quase um século, a dieta cetogénica tem sido amplamente utilizada para a gestão nutricional da epilepsia refratária. Contudo, embora a dieta fosse a opção mais apreciada na gestão da epilepsia até aos anos 20, a sua utilização começou a diminuir após a introdução dos fármacos e terapêuticas farmacológicas antiepiléticas.9,10

Anos 90

O reconhecimento de que a dieta cetogénica é uma opção válida para a gestão nutricional da epilepsia refratária, levou a um novo interesse da sua implementação nestes pacientes, desde os anos 90 até os dias de hoje.12,13

Todas as “viagens” cetogénicas são individuais e cada caso é um caso, que pode ter resultados diferentes. É importante procurar acompanhamento de uma equipa multidisciplinar especializada.

O seu profissional de saúde poderá indicar-lhe um período de três meses de dieta cetogénica, para avaliar se a mesma poderá ser útil na gestão da epilepsia refratária.

Contacte os nossos especialistas

Se tem dúvidas sobre o tema, é muito importante que consulte o seu médico assistente e neurologista para perceber se a dieta cetogénica é indicada para a gestão nutricional da epilepsia refratária, no seu caso particular.

Contacte-nos
Todas as “viagens” cetogénicas são individuais e cada caso é um caso, que pode ter resultados diferentes. É importante procurar acompanhamento de uma equipa multidisciplinar especializada.

O seu profissional de saúde poderá indicar-lhe um período de três meses de dieta cetogénica, para avaliar se a mesma poderá ser útil na gestão da epilepsia refratária.

Contacte os nossos especialistas

Se tem dúvidas sobre o tema, é muito importante que consulte o seu médico assistente e neurologista para perceber se a dieta cetogénica é indicada para a gestão nutricional da epilepsia refratária, no seu caso particular.

Contacte-nos

Referências bibliográficas

  1. Thijs R, Surges R, O’Brien T et al. Epilepsy in adults. The Lancet. 2019; 689-701 (10172) 
  2. Kwan P, Brodie MJ. Early identification of refractory epilepsy. Engl J Med. 2000; 342: 314-9. 
  3. Epilepsy Definition & Classification. Internacional Ligue Against Epilepsy. www.ilae.org 
  4. World Health Organization, Epilepsy, 20 junho 2019, disponível em https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/epilepsy, acesso em: 15 novembro 2021 
  5. Classical & MCT Ketogenic Diets (Traditional Diets) – Matthews Friends
  6. How to Get Started With the Ketogenic Diet (charliefoundation.org)
  7. https://dieta-epilepsia.nutricia.es/
  8. WHO. Global burden of epilepsy and the need for coordinated action at the country level to address its health, social and public knowledge implications. 2015: Resolution WHA68 20.      
  9. Stephen LJ, Brodie MJ. Seizure freedom with more than one antiepileptic drug. Seizure. 2002; 11: 349-51      
  10. Brodie MJ, Barry SJ, Bamagous GA, et al. Patterns of treatment response in newly diagnosed epilepsy. Neurology. 2012; 78: 1548-54     
  11. Barborka CJ. Epilepsy in adults: results of treatment by ketogenic diet in one hundred cases. Arch. Neurol. Psychiatry. 1930; 23; 904–14.  
  12. Cervenka MC, Henry BJ, Felton EA, Patton K, Kossoff EH. Establishing an Adult Epilepsy Diet Center: Experience, efficacy and challenges. Epilepsy Behav. 2016 Apr 5; 58: 61-68 
  13. Smith M, Politzer N, MacGarvie D, McAndrews MP, Del Campo M. Efficacy and tolerability of the modified Atkins diet in adults with pharmacoresistant epilepsy: a prospective observational study. Epilepsia. 2011; 52; 775–80.
  14. Who Is Ketogenic Therapy Suitable For? – Matthews Friends
  15. Kossoff E, et al. Optimal clinical management of children receiving dietary therapies for epilepsy: Updated recommendations of the International Ketogenic Diet Study Group. Epilepsia Open, **(*):1–18, 2018
  16. Pedrón Giner C. Manual para la práctica de la dieta cetogénica. Nutricia. 2016.
  17. Manual de implementação da dieta cetogénica – Nutricia 

Registe-se em Nutricia Profissional e tenha acesso a conteúdo exclusivo de profissional de saúde.

loginRegiste-se

Um espaço personalizado para a sua área terapêutica

Formação e actualidade científica

Conteúdos e ferramentas para si e os seus pacientes